Instituto Diagnóstico da Mulher

Tratamentos

Mioma

Miomas

O mioma uterino é o tumor benigno (crescimento não canceroso) mais frequente do trato genital feminino, apresentando sintomas principalmente nas mulheres entre os 30 e 40 anos. Pode ser único ou múltiplo e de diferentes tamanhos em diversas localizações do útero. Refere-se que ate 80% das mulheres podem ser acometidas por miomas, porém não apresentarão sintomas. Quando existem, os sintomas mais típicos são: períodos menstruais intensos e prolongados, dor pélvica; dor nas relações sexuais; sensação de pressão na bexiga, com vontade constante de urinar, entre outros.

Hormônios e miomas

Estrogênios e progesteronas parecem promover crescimento de miomas. Os miomas raramente são observados antes da puberdade tendo a sua prevalência no período reprodutivo e regridem após a menopausa. Alguns fatores  durante a vida da mulher levam que ao hiperestrogenismo propiciam o aparecimento de miomas como, menarca (primeira menstruarão) mais precoce, aumentam a sua incidencia. Outros fatores que levam a diminuição da exposição estrogênica no decorrer da vida reprodutiva da mulher como, multiparidade, exercícios físicos, uso de progestinicos protegem essas mulheres.

Sarcoma

uma diferença genética entre miomas e leiomiosarcoma indicando que eles tem origens genéticas diferentes, portanto o sarcoma não tem sua origem no mioma.

Miomas e Infertilidade

Um estudo prospectivo antigo, mas muito citado, refere que os miomas podem ser encontrados em 5 a 10% das pacientes inférteis, porém somente 2 a 3% destes miomas podem ser o responsáveis por ocasionar infertilidade. (Buttran et cols. Fertil Steril 1981).

O impacto dos miomas na fertilidade pode ter sido subestimado devido a falta de recursos nesta época, quando o diagnóstico era realizado basicamente com toque bi manual.

Donnez em 2002 num estudo prospectivo de cohort em mulheres com infertilidade sem causa aparente, levantou que 11% das mulheres com miomas engravidavam sem nenhuma intervenção comparadas com 25% do grupo sem miomas e com 42% das pacientes que se submetiam a Miomectomia.

Enquanto alguns autores relatam ausência de efeitos adversos  na fertilidade causados por miomas (Farhi J. E cols. Surrey Es. Em publicações na Hum.Reproduction e Fertil Steriloutros sugerem que as taxas de FIV declinam quando miomas intramurais  estão presentes  sobretudo os maiores que 5 cm.

Somigliana e Vercellini. Hum Rep 2007

Único consenso é dos miomas submucosos ou aqueles que distorcem a cavidade uterina os quais devem ser retirados.

Pritts 2001 realiza uma Revisão Sistemática para avaliar Miomas e fertilidade,

Concluindo: os miomas submucosos devem ser removidos,

Porem deixa dúvida na Miomectomia dos demais miomas recomendado não realizar Miomectomia.

O mecanismo pelo qual os miomas podem afetar a implantação é:

1-   A cérvice e o canal cervical podem estar bloqueados ou distorcidos;

2-   Aumento ou a distorção da cavidade uterina

3-   Obstrução proximal das trompas;

4-   Alteração da anatatomia  tubo-ovariana interferindo com a captação e transporte do óvulo;

5-   Aumento da cavidade com distorção com aumento da contratilidade uterina dificultando o transporte espermático ou a nidação ovular.

6-   Distorção da cavidade e sua ocupação, provocando atrofia, ectasia venosa da parede oposta ao mioma.

7-    Diminuição do fluxo sanguíneo endometrial;

8-   Produção de substancias vaso-ativas ou inflamatórias que impediriam a implantação.

 

Miomas e gravidez:

Miomas são encontrados em 2,7 a 12,6% de mulheres grávidas

(Klatsky PC e cols. Revisão Sistemática – Am J Obstet. Gynecol 2008: 198:357-66)

Apesar da referência que os miomas crescem na gravidez parece que isso ocorre no primeiro trimestre e habitualmente volumosos miomas regridem com o evoluir da gestação

(Lev-Toaff As.  E cols. Radiology 1987, Neiger R.(J Reprod Med 2006)

Degeneração dos miomas durante a gestação é evento relativamente raro

Miomas são referidos por aumentarem o risco de:

1- Distorcia de apresentação;

2- Aumentar o numero de cesáreas;

3- Partos prematuros;

4- Abortamentos

 

Buttran em seu trabalho clássico publicado em 1981

Mostra;

Revisão de 1.941 casos de gravidez observou:

Mulheres que se submeteram a Miomectomia tiveram 19% de abortamento

Antes da cirurgia esta taxa era de 41%

 

Conclusão:

Os miomas submucosos ou aqueles que distorcem a cavidade uterina os quais devem ser retirados;

A maioria das publicações que estudaram o tema de miomas intramurais prejudicarem a implantação são de estudos retrospectivos com um pequeno numero de pacientes incluídas

Em sua revisão de literatura Beneck C. 2005, Ciccinelli E. 1995, e na Metanálise de  Pritts EA 2001 não sedimentaram a ideia que agissem de forma negativa no processo de implantação ovular.

Concluindo que não ha justificativa para realização de Miomectomia intra-mural para melhorar as taxas de fertilidade.

Enquanto alguns autores relatam ausência de efeitos adversos  na fertilidade causados por miomas (Farhi J. E cols. Surrey Es. Em publicações na Hum.Reproduction e Fertil Steriloutros sugerem que as taxas de FIV declinam quando miomas intramurais  estão presentes  sobretudo os maiores que 5 cm.

 

Somigliana e Vercellini. Hum Rep 2007


» Listar todas