Instituto Diagnóstico da Mulher

Tratamentos

Reprodução Humana

Reprodução Humana

Refere-se que 10 a 15% da população tem um fator de infertilidade. O casal que está  12 meses sem contracepcionar e sem engravidar deve procurar ajuda de uma clínica especializada.

Alguns fatores podem levar o casal a procurar ajuda antes dos 12 meses, dentre eles a idade feminina, ou o diagnóstico de alguma doença, como por exemplo a endometriose.

É do conhecimento de todos que as taxas de fecundidade (capacidade de engravidar por ciclo) diminuem na mulher com o evoluir da sua idade, iniciando esta diminuição por volta dos 30 anos.

O número de oócitos (óvulos) e de hormônio antimulleriano (AMH) e inibina diminuem com a idade da mulher, assim como se eleva o FSH. Refere-se que no ventre materno em torno de vinte semanas de gestação o feto tenha 6 a 7 milhões de oócitos os quais progressivamente vão entrando em processo de atresia e ao nascer, ela terá aproximadamente 1 a 2 milhões de oócitos. Durante a puberdade, esse número de oócitos decresce para 300.000 a 500.000. Diminui aida mais aos 37 anos para 25.000 oócitos sendo que aos 51 anos a mulher terá  em torno de 1.00 oocitos nos seus ovários, até quando, não possuindo mais óvulos, entrará na menopausa.

Portanto as taxas de fecundidade diminuem na mulher em detrimento da sua idade e isto ocorrerá  gradualmente a partir dos 32 anos, sendo que as taxas  de fecundidade baixam muito a partir dos 37 anos.

Com a idade haverá  diminuição do hormônio antimulleriano,da inibina, com inevitável aumento das concentrações de FSH. A idade isoladamente tem um efeito na diminuição da fecundidade, porém outros fatores podem piorar este prognóstico.

Mulheres que nunca utilizaram contracepção hormonal, assim como aquelas  que tenham miomas, endometriose, histórico de cirugias pélvicas, ovarianas, ou aquelas com histórico de doença inflamatória pélvica assim como aquelas que tenham se submetido a quimioterapia, radioterapia poderão ter sua fecundidade  diminuída, além daquelas que tenham histórico familiar de  menopausa precoce.

A associação com o parceiro que tenha alterações  na quantidade e ou qualidade espermática pode ajudar na diminuição da fecundidade do casal.

A Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva orienta investigação do casal que tenha 2 a 3 atividades sexuais por semana e não consiga engravidar desde que não haja uma indicação clínica para antecipação da pesquisa estratificando por idade:

1 – Até 34 anospode-se aguardar 12 meses

2 – 35 – 39 anos pode-se aguardar 6 meses para iniciar a pesquisa

3 -  40 anos iniciar a investigação assim que a paciente manifeste o desejo de engravidar

Hoje cada vez mais podemos ajudar ao casal a restaurar a fertilidade utilizado diversas técnicas.

Durante a realização de consulta do casal com especialista, este busca responder a quatro questões básicas:

1     -  Como vai o parceiro (laboratorial e avaliação seminal)?

2     -  A paciente tem reserva ovular?

3     – A paciente ovula?

4     – Como andam as trompas, útero e sua cavidade?

Com exames, essas perguntas serão respondidas com estes resultados é possível conduzir o caso.

Atualmente uma mulher sadia que não possua mais óvulos pode ser beneficiada pela técnica da Ovodoação, na qual uma paciente recebe óvulo de uma doadora mais jovem dando-lhe a possibilidade de engravidar.

Ovodoação

A Ovodoação  é a técnica na qual os gametas femininos (óvulos) de uma mulher (doadora), são doados para outra (receptora) para serem fertilizados em laboratório e transferido (colocados) no útero da receptora a qual ira gestar e parir um filho que foi gerado com o espermatozoide  do próprio parceiro ou do (banco de sêmem) e um óvulo de uma doadora.

A técnica de congelamento de óvulos, é outra alternativa. Com a técnica atual de vitrificação de óvulos, o descongelamento é seguro e eficaz, garantindo perda mínima de óvulos.

Portanto:

-       Quando estão próximas aos 35 anos e ainda não tem um parceiro para ser o pai dos seus filhos e não desejam no momento fazer uma produção independente, e vão prorrogar a gestação durante alguns anos, as mulheres devem pensar em congelar seus óvulos para que possam no futuro ter a possibilidade de ser mães.

-       Aquelas que serão submetidas a quimioterapia ou radioterapia e desejam guardar seus óvulos pensando numa possibilidade futura de engravidar

-       Mulheres com história familiar de menopausa precoce podem congelar seus óvulos preventivamente, para garantir seu futuro reprodutivo com seus próprios óvulos.


» Listar todas